23 janeiro, 2009

366. erudição

Ela faz palavras cruzadas. Ele lê o caderno de esportes.

- Benhê, o que é Clássico? Com sete letras.

Ele, sem desviar os olhos da matéria, sorri. Adora ser consultado. Satisfaz muitíssimo o seu ego. Além de atestar, acredita, a sua inegável supremacia de macho.

- Taí! De Clássico, amor, eu entendo. Vou te dar um exemplo: por coincidência estou lendo justamente uma reportagem sobre o clássico que vai rolar hoje no Pacaembu. Corinthians versus São Paulo. Isso é clássico, entende? Jogo de primeira. Briga de cachorro grande. Duelo de titãs.


Ela rabisca que rabisca e Ele viaja:

- Outro exemplo, veja, é a música clássica. Só bacana curte este gênero. Pra ouvido refinado, de intelectual, entende? Pagodeiro, se entra no Teatro Municipal, fica logo constrangido, deslocado, desfocado.

Ela está concentrada. Parece que não ouviu nada da dissertação na qual ele tanto se empenhou.

Ele percebe e se queixa:

- Amor! Você faz uma pergunta, eu respondo, e você nem aí!

- Ah! Brigadinho, bem. Já achei. Erudito.

- Era o Dito?

- Isso aí.

Um comentário:

Beto Guimarães disse...

Casal culto, hein! Bom texto. Gostei muito.